• Um caldeirão de pura cultura baiana

    Forró na Bahia

    3ª Bienal da Bahia é lançada oficialmente no MAM




    A 3ª Bienal da Bahia foi lançada oficialmente na manhã desta segunda-feira, 2, durante uma coletiva de imprensa com o secretário de Cultura do Estado da Bahia, Albino Rubim. O evento aconteceu no Casarão do Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM-BA) e contou ainda com a participação do diretor-geral do evento, Marcelo Rezende, do curador-chefe Ayrson Heráclito, da coreógrafa Lia Robato e do artista Gaio. 

    Marcada para o dia 29 de maio de 2014, a Bienal já está em fase de execução. De acordo com Marcelo Rezende, a lista com os nomes dos artistas que participarão do evento será divulgada no dia 10 de dezembro. “Até o momento, já temos cerca de 270 artistas. Também já mapeamos 19 espaços em Salvador e 10 municípios do interior, com os quais queremos trabalhar. No dia 18 de janeiro, iniciaremos a formação de mediadores para a Bienal, que tem um importante caráter educativo”, explica o diretor, que foi convidado pelo secretário para conduzir a produção e a realização da Bienal, juntamente com um conselho curatorial.

    O evento acontecerá durante o período da Copa do Mundo, momento de grande visibilidade para o Brasil, como destacou Albino Rubim. “Não será apenas uma bienal de artes visuais, pois vamos ter um grande diálogo com a cultura da Bahia, do Brasil e do mundo. A ideia é que cada vez mais esta cultura seja reconhecida. Além disto, queremos fazer um evento que resgate a história das edições passadas, realizadas em 1966 e 1968. Simbolicamente, é muito importante esta ser a terceira, e não a primeira Bienal da Bahia. Nada mais justo do que retomar essa história”, revela o secretário. 

    Após 46 anos, a Bahia terá novamente uma Bienal que, durante 100 dias, contará com exposições e atividades educativas que vão ocupar diferentes espaços culturais e sociais da capital e do interior do estado. As ações serão distribuídas não só pelos museus de Salvador e centros culturais do estado, mas também em locais como a Biblioteca Pública do Estado da Bahia, universidades e em outros espaços expositivos e menos convencionais.

    É tudo nordeste? é a indagação que move o projeto curatorial, o conceito central que percorre todas as ações, exibições, projetos e encontros da 3ª Bienal da Bahia. A questão impõe um ato de aproximação da produção cultural e artística da região, em suas mais diversas perspectivas: o Nordeste como condição geográfica, construção histórica e ainda como potente peça do imaginário.


    Fonte: Secretaria de Cultura da Bahia – Secult/BA

    0 comentários: