• Um caldeirão de pura cultura baiana

    Forró na Bahia

    Pela primeira vez a vida do músico Walter Smetak é contada em um livro





    Pela primeira vez a vida do músico Walter Smetak é contada em um livro. “Smetak, som e espírito” retrata os momentos mais íntimos da existência do também conhecido “Alquimista dos Sons”. 

    Em quatro capítulos, a autora e também neta de Walter, Jessica Smetak, conta os principais momentos da vida do avô – da infância na Europa até a chegada no Brasil, bem como a pesquisa sobre os sons, o ambiente familiar e entre amigos e a morte do músico. A obra também reúne um acervo fotográfico inédito recuperado do arquivo familiar.

    Para a autora, o livro tem o propósito de mostrar quem era Walter Smetak – homem pouco compreendido por muitas pessoas. “Falo de Smetak nos mais diversos ambientes em que ele conviveu. Tem muitas histórias curiosas, místicas e engraçadas no livro”, destaca.

    Jessica não conheceu o avô e para reconstruir a vida dele fez mais de 45 entrevistas com amigos, familiares, ex-alunos e admiradores do “Alquimista dos Sons”. Personalidades como os cantores Gilberto Gil, Caetano Veloso e o antropólogo Antônio Risério ajudaram a contar a história de Walter Smetak.

    A obra “Smetak, som e espírito” é uma publicação da Coleção Gente da Bahia, da Assembleia Legislativa do Estado. O lançamento é um evento apoiado pela Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, pela Assembleia Legislativa e pelo Teatro Castro Alves.


    Sobre Walter Smetak

    Violoncelista, compositor, inventor de instrumentos musicais, escultor e escritor. Smetak nasceu em Zurique, Suíça, em 12 de fevereiro de 1913. Sua primeira instrução musical veio do pai, renomado virtuose de cítara. Smetak formou-se em música pelo Conservatório de Viena, em 1934.

    A dificuldade de trabalho fez Walter Smetak abandonar a Europa. O músico chegou ao Brasil em 1937. Após passar por orquestras e rádios em Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo, em 1957 ele foi convidado pelo compositor alemão Hans Joachim Koellheutter para integrar os Seminários Livres de Música, em Salvador, Bahia. Um projeto do então reitor Edgard Santos.

    Foi na Bahia que Walter Smetak iniciou as pesquisas microtonais inspiradas pela Eubiose e começou a construir instrumentos musicais com materiais inusitados, como tubos de PVC, cabaças e isopor. Criou cerca de 150 instrumentos, conhecidos como "plásticas-sonoras".

    Sua oficina de experimentação sonora foi frequentada por importantes artistas da música brasileira: Gilberto Gil, Rogério Duarte, Tom Zé, Gereba, Tuzé de Abreu, Djalma Correia e Marco Antônio Guimarães (fundador do grupo Uakti), entre outros.

    Gravou dois discos: Smetak (1975), com produção de Caetano Veloso, Gilberto Gil e Roberto Santana, e Interregno (1980), com o conjunto Microtons e produção de Carlos Pitta. Escreveu três peças de teatro e mais de 30 livros.


    Sobre a Autora

    Jessica Smetak Paoli é jornalista. Atualmente é repórter da TV Bahia, já trabalhou como repórter e apresentadora na TVE, emissora do Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia (IRDEB). Também atuou nas áreas de assessoria de comunicação e marketing. "Smetak, Som e Espírito" é a primeira obra da autora.


    Fonte: Texto & Cia


    0 comentários: