• Um caldeirão de pura cultura baiana

    Forró na Bahia

    Ensaios de Verão da "Escola de Samba Katarina Paraguassú" agitam o coração do Comércio




    "Pense no absurdo, na Bahia já tem precedente!" A célebre frase do ex-governador da Bahia, Otávio Mangabeira, bem que poderia se encaixar aqui, mas o que parece absurdo é na verdade a grande farra aberta ao público todas as sextas-feiras nos Ensaios de Verão da "Escola de Samba Katarina Paraguassú". 

    O nome do "grupo de um homem só" já traz história em sua escolha, uma vez que Catarina Paraguassú formou junto com o Caramuru a primeira família documentada do Brasil. O idealizador do projeto é o cantor, músico, pirata, caçador de tesouros e um dos maiores personagens do folclórico mundo de “figuras” emblemáticas de Salvador, Mário Mukeka. 

    Em 2012, junto com a cantora Marcela Bellas, Mário percorreu as ruas da Barra convidando o público a tocar e a formar uma grande escola de samba a céu aberto. A intenção do projeto é não apenas reunir amigos e talentos, como fomentar a cultura em seu sentido mais elementar, que é o da espontaneidade e da criação coletiva. No ano passado, além de Marcela, o famoso carrinho multimídia da performer e filósofa Ana Dumas, também participou do evento, agitando os “passistas” no Porto da Barra.


    Em 2013, os Ensaios de Verão da "Escola de Samba Katarina Paraguassú" acontecem no Comércio, a partir das 18h, em frente à Capitania dos Portos da Bahia. “Leve o seu tambor, o seu instrumento, a sua canção, a sua verdade e desfile junto com a gente”, provoca Mário. 

    O caçador de tesouros da Mukeka mais doida da Bahia 

    Mário Cortizo Andeon, conhecido como Mário Mukeka, é um conhecido mergulhador e caçador de tesouros da Bahia. Há mais de vinte anos procura um baú do tesouro na praia de Amaralina. Hoje, Mukeka vive na Barra, num trailer construído por ele mesmo. 

    O apelido “Mukeka” ganhou na época em que foi preso, quando a polícia invadiu sua casa e encontrou uma berlotinha de maconha. Segundo o próprio, ali era só uma parte do que ele realmente tinha – jogou a maior parte do estoque em uma moqueca de peixe que estava cozinhando no fogão, ato que lhe daria o apelido pelo qual é conhecido até hoje. 

    Em meados de 1995, Mário Mukeka passou um tempo morando no Forte de São Marcelo, após a famosa invasão do forte comandada pelo cantor Gerônimo. “O Forte estava completamente abandonado pelas autoridades. Não tinha nada lá, só era usado para secar maconha pelos moradores da Gamboa de Baixo. Gerônimo aproveitou a fama dele e organizou uma invasão pirata ao forte, junto com outros mergulhadores-piratas amigos dele. Eu entrei no bolo”.



    Serviço: 

    O quê: Ensaios de Verão da "Escola de Samba Katarina Paraguassú"
    Quando: todas as sextas-feiras, a partir das 18h. 
    Onde: em frente à Capitania dos Portos da Bahia, no Comércio, na “ala de frente” da operadora de mergulho Shark Dive.



    Fonte: Flavia Figueiredo

    2 comentários:

    Gustavo Paixao disse...

    Maravilha !!! Parabéns ao Capitão Mukeka !!!

    Léia disse...

    Além de tudo, o cenário também é lindo!