• Um caldeirão de pura cultura baiana

    Forró na Bahia

    MAM-BA recebe diretor da mostra Jorge Amado e Universal




    No mês em que completaria 100 anos de nascimento, Jorge Amado recebe uma série de homenagens em sua terra natal. No Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM-BA), além da exposição Jorge Amado e Universal, em cartaz de 10 de agosto a 14 de outubro, o escritor baiano também é tema de atividades educativas que discutem a sua obra. Nesta sexta-feira (10/08), o diretor-geral da mostra, William Nacked, participa da Conversa com o Curador, na qual apresenta a proposta da exposição. A autora dos textos e integrante da equipe de conteúdo da mostra, Ilana Seltzer Goldstein, também estará presente no evento. A Conversa com o Curador é aberta ao público e acontece no Cinema do MAM, às 10h, com entrada gratuita. 

    A mostra, que foi vista por mais de 130 mil pessoas em São Paulo, chega a Salvador com extensa programação de ações educativas, realizadas pelo MAM-BA durante todo o período em cartaz. Entre as atividades, o público poderá conferir o Ciclo de Conversas sobre Arte – com a participação de artistas, pesquisadores e educadores que provocam diferentes leituras sobre a obra de Jorge Amado –, workshops sobre técnicas artísticas tradicionais, ações poéticas e atividades voltadas para o público infantojuvenil. 

    Durante as atividades, os participantes são incentivados a refletir sobre os questionamentos provocados pela obra do escritor, sob os pontos de vista didático-pedagógicos e da criação artística. “O MAM-BA possui em seu acervo obras de artistas que foram amigos de Jorge Amado e que, assim como ele, viveram a Bahia moderna e contemporânea. Através de seus romances, personagens e pensamentos, realizamos exercícios poéticos de ressignificação destes locais, paisagens e falas”, enfatiza Roseli Amado, coordenadora de arte-educação do museu. 

    CENTENÁRIO – A exposição no MAM-BA é uma das ações do Ano Jorge Amado, desenvolvida pela Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) ao lado de diversas instituições e personalidades ligadas à obra do autor, que marca seu centenário de nascimento com ampla e diversificada programação cultural até dezembro deste ano. 

    Dividida em quatro temas, a mostra Jorge Amado e Universal vai trazer os personagens marcantes que foram contados em seus livros – como Dona Flor, Gabriela, Pedro Arcanjo e Antonio Balduíno –; a faceta política do autor, que era comunista e foi eleito deputado federal por São Paulo; a miscigenação e o sincretismo religioso que, segundo ele, caracterizam o Brasil; e, por último, a malandragem e a sensualidade presentes em seus livros. “É um desafio prazeroso de cumprir, tendo em vista a importância e alcance do homenageado. Buscamos elementos para que o público mergulhe em um vasto repertório de conteúdos sobre o homem, o escritor e a obra”, afirma William Nacked. 

    Há ainda espaço para depoimentos de amigos, artistas e críticos, a cronologia sintética da vida do escritor e o destaque de sua presença internacional. Entre os depoimentos, falas de amigos ilustres e anônimos. A visitação é gratuita e pode ser feita de terça a sexta, das 13h às 19h, e sábados, domingos e feriados, das 14h às 19h. 

    A realização de Jorge Amado e Universal é da Grapiúna e da Fundação Casa de Jorge Amado, em parceria com a SecultBA, através da Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (DIMUS/IPAC) e do Museu de Arte Moderna da Bahia. O patrocínio é do Banco Santander, da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, da Secretaria da Fazenda e do Governo da Bahia, através do Fazcultura. O apoio cultural é da Braskem. 



    Saiba mais sobre os palestrantes 

    William Nacked – Economista e administrador, é diretor-presidente da N&A Mercado Cultural, que há 25 anos atua no planejamento estratégico, criação e execução de projetos nas áreas sociocultural e esportiva. Também é fundador e diretor-geral do Instituto Brasil Leitor (IBL), que há mais de 10 anos amplia o uso de livros, jornais, revistas e computadores entre jovens, crianças, famílias e professores, em especial das periferias. Por meio do IBL, esteve à frente da gestão do Museu da Língua Portuguesa (SP), desde a sua inauguração, em 2006, até agosto de 2008. Neste período, realizou exposições sobre Clarice Lispector, Gilberto Freyre e Machado de Assis. É fundador e presidente do Instituto Usina do Ofício e da AMCCB – Associação Museus e Casas de Cultura do Brasil. Realizou ou atua em projetos como Restauro da Real Fábrica de Ipanema –Iperó (SP); Restauro do Engenho Central e criação do Museu do Açúcar de Piracicaba (SP); Restauro e Dinamização do Castelo de Garcia D’Ávila (BA). 



    Ilana Seltzer Goldstein – Graduada em Ciências Sociais e Mestre em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo, Mestre em Mediação Cultural pela Universidade Paris 3 - Sorbonne Nouvelle, Especialista em "Avaliação de programas e projetos sociais" pela Fundação Instituto de Administração e Doutora em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas. Atualmente, é docente na Pós-graduação "Gestão cultural: cultura, desenvolvimento e mercado", do Centro Universitário SENAC, e atua também como professora-convidada e orientadora de monografias no MBA "Gestão de bens Culturais", da Fundação Getúlio Vargas. Desde 2008, é membro do Conselho Editorial da Proa - Revista de Antropologia e Arte, publicação virtual vinculada ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UNICAMP. 


    Fonte: Thaís Seixas - Nucleo de Comunicação do MAM


    0 comentários: