• Um caldeirão de pura cultura baiana

    Forró na Bahia

    Projeto apoiado pelo Criança Esperança em 2012 transforma vida de jovens no interior da Bahia




    O Projeto Sopro Popular do Recôncavo, realizado pela Sociedade Filarmônica Lyra Popular, está transformando a vida de meninos e meninas no município baiano de Castro Alves (a 191 km de Salvador). As atividades, iniciadas no mês de março, envolvem quatro oficinas formativas: Teoria Musical; Sopro; Formação Social e Pessoal e Restauração de Instrumentos de Sopro. Cerca de 100 crianças e adolescentes de 12 a 17 anos de idade participam do projeto apoiado pelo Criança Esperança em 2012 

    A formação será concluída em 10 meses e o destaque desta primeira etapa é a Oficina de Restauração de Instrumentos de Sopro, uma das poucas existentes no Estado da Bahia. O Sargento André, maestro, professor e técnico de restauração de instrumentos de sopro há mais de 15 anos, é quem ministra a oficina. Ele afirma que “os instrumentos são um poço de história. Alguns são centenários, com registro do século XVIII, e se conservam bons, prontos para ecoar a magia das filarmônicas, graças ao trabalho dos restauradores”. 

    A capacitação de uma nova geração de restauradores de instrumentos de sopro é uma iniciativa pioneira, que perpetua a cultura musical popular baiana e brasileira e instiga o gosto pela música e pela busca do conhecimento. Boa parte dos participantes da oficina não se contenta, apenas, em cuidar dos instrumentos. Eles vão além, tomam gosto por seu objeto de trabalho e passam admirar o som e o encanto despertado pela arte de tocar. 

    Jovens que antes eram vítimas potenciais das drogas, que acumulavam grandes responsabilidades dentro da família ou que estavam desanimados para os estudos, encontram no Projeto Sopro Popular do Recôncavo, a oportunidade de resgatar a sua autoestima, a sua história e dar novo sentido à vida por meio da música. 

    Incentivo às filarmônicas - Vale ressaltar que a Bahia não possui fábricas de instrumentos musicais e mesmo o comércio e os trabalhos de restauração são timidamente ofertados. A formação dos novos restauradores aquece as atividades das filarmônicas baianas. São 34 apenas na região do Recôncavo, algumas delas encontram dificuldade para manterem-se ativas. A própria Sociedade Filarmônica Lyra Popular de Castro Alves, fundada em 1894 e refundada em 1926, já esteve praticamente parada devido a questões financeiras. 


    Fonte: Sócia Comunicação


    0 comentários: