• Um caldeirão de pura cultura baiana

    Forró na Bahia

    BaianaSystem lança novo clipe na internet





    A Bahia exporta para o mundo o som produzido pela guitarra baiana. E é para mostrar as novas possibilidades sonoras do instrumento popularizado no Carnaval de Salvador que, há dois anos, o BaianaSystem produz uma música urbana com influências das culturas brasileira, africana e jamaicana. “Eu não gosto da ideia de resgate, porque referencia o passado. A guitarrinha precisa dialogar com o que está se produzindo hoje”, ressalta o idealizador do projeto, Robertinho Barreto.

    Nas mãos dele, a guitarrinha dialoga de forma harmônica com as sonoridades africanas e com a liberdade e psicodelia do dub. O instrumento se renova e interage com as bases trabalhadas e mixadas por Chico Correa. Em todas as músicas produzidas pelo grupo há inserções de sons e efeitos com liberdade de improvisos.

    O vocal também é especial. Na voz de Russo Passapusso, o BaianaSystem explora novas possibilidades de timbragens e de interação com a produção das bases rítmicas dos sound system`s. Essa linguagem e a filosofia das “colagens” dos sistemas de sons, do recriar a partir do existente, tornam o desafio do grupo.

    BaianaSystem tem um formato que possibilita diversas combinações, “sistemas”. Com isso, amplia a ideia de sound system`s para novas timbragens, estéticas e formações musicais. A base do grupo, no entanto, vem sendo preparada pelo núcleo formado pelo guitarrista Robertinho Barreto, o vocalista Russo Passapusso, o baixista e também produtor do disco Marcelo Seco, o percussionista Wilton Batata e o DJ/Produtor Chico Corrêa (bases e mixdubs).

    Concepção visual – BaianaSystem tem uma concepção visual idealizada e executada por Filipe Cartaxo. Em todos os materiais produzidos para a banda, Filipe explora grafismos como referências às manifestações populares da Bahia, como o Carnaval e as demais festas de largo.

    CD – Toda essa inventividade sonora pode ser conferida no primeiro CD homônimo ao grupo, onde o BaianaSystem canta a cidade e suas nuances cotidianas. Para reforçar o time, o disco conta com participações como as de Lucas Santtana, Gerônimo, Roberto Mendes, Buguinha Dub e o mais constante parceiro do grupo, BNegão. O álbum teve grande aceitação do público e da mídia, tendo recebido críticas positivas de revistas especializadas em música, como a Bravo.  

    Reconhecimento – A BaianaSystem já participou de projetos, além de ter sido apoiado por editais como Conexão Vivo (2010 e 2011), Caixa Cultural (2010) e Oi Futuro (2011). Dentre as apresentações do grupo no ano passado estão a Expo Shangai/China, o Festival de Inverno de Garanhuns, o Brasil Rural Contemporâneo 2010 de Brasília, o REC Beat de Pernambuco, o Festival UFSCAR de São Paulo e o Sesc/Prata da Casa, no mesmo estado. Neste último, o show da BaianaSystem foi eleito como um dos quatro melhores do ano, o que resultou em uma outra apresentação com os melhores grupos de todo o projeto. 

    E é com toda essa ideia que podemos desfrutar do novo clipe do grupo que faz música urbana, explorando novas possibilidades sonoras na guitarra baiana, e para lançamento desse clipe eles escolheram a música "Jah Jah Revolta", faixa do primeiro disco deles (homônimo à banda). As imagens do clipe foram gravadas no Solar do Unhão em dezembro de 2010 e o clipe conta com a direção de Tiago Lins “Kamikazi” e de Filipe Cartaxo "cartaxocria". Cartaxo que é também responsável por toda a identidade visual do Baiana. 

    "Jah Jah Revolta" traz na letra do vocalista, Russo Passapusso, uma crítica social ao estilo de vida caótico das cidades grandes. Em versos como “Então vá; a babilônia eu sei que vai cair / não sei mais o que estou fazendo aqui”, ele questiona o seu papel neste lugar e segue: “Vá; oh Jah me leve que eu quero fugir / Direto pros estúdios”, onde ele trata a arte como um ponto de fuga aos problemas urbanos.

    Fonte: Janela do Mundo (Assesoria de imprensa - Max Fonseca)


    0 comentários: