• Um caldeirão de pura cultura baiana

    Forró na Bahia

    E o que falar de Black Swan ?






    Vi " O Discurso do Rei" e tive a primeira idéia possível sobre: ele não tinha nada para ser indicado ao Oscar de melhor filme. E nesta hora eu ainda não tinha visto " Black Swan" para construir nenhum termo comparativo. Vi e posso dizer que apesar de ter preferido Annette Benning em " Minhas Mães e Meu Pai", por ser uma coisa mais "real" por assim dizer, Portman estava impecável! E até conseguiu ficar meio feia pela magreza que o papel pedia. Mas o caso aqui não é discutir sobre a atriz e sim sobre o filme.

    Lento Black Swan não é em nenhum momento. Sabe quando você parece que está dentro de um universo 3D tão perfeito e passível de acontecer com qualquer pessoa ? É o que posso dizer do verdadeiro thriller psicológico que é a cabeça e a incessante busca pela tal perfeição na dança de Nina. E um grande marco para que esse mundo irreal dela sobreviva, é a mãe. Uma bailarina fracassada que joga todos os seus sonhos nas costas da filha e exige que se realizem. Uma situação vivida por tantos...normalíssimo. Alguém reparou no quarto de Nina? Completamente poluído de itens de meninas novas, mocinhas por assim dizer. A mãe castra e alimenta essa busca doida e dolorida (vide as maldades físicas que Nina faz consigo mesma) da filha atrás da perfeição.

    O que percebi foi a insistente besteira de se classificar o filme como um filme lésbico. Absurdo! Sem nenhum tipo de preconceito de minha parte, a questão do sonho ou desejo dela foi tanto para o lado do professor quanto do da bailarina. Então, pegar um filme que é moldado em profundas perturbações psicológicas (sérias) para colocá-lo em uma simples orientação sexual...é bem pouco! Até porque qual o problema se Nina fosse realmente lésbica? NENHUM! A questão é que acho uma besteira ler por aí que é um filme lésbico por causa de uma única cena que, no contexto, é apenas mais um detalhe para se tentar entender o mundo fantástico e psicologicamente desarrumado de Nina.

    No final das contas, vá ver o filme com muito gosto pela "mente humana". Se deixe levar...entre nesta sensação 3D que tive de que Nina estava ali, comigo... Que eu acompanhava muito de perto as neuras absolutamente normais dela. No fundo, Black Swan pode ser qualquer um de nós em momentos de desequilíbrios intensos...

    Adriana Favilla


    0 comentários: